PT EN ES
BrazilLAB inovação aceleração ideias conexão empreendedores poder público comunicação challenge desafio municípios cidadão evolução troca urgência ins

BrazilLAB busca soluções para estimular interação entre cidadãos e municípios

18/04/2017

O BrazilLAB é o único hub de inovação que acelera ideias e conecta empreendedores com o poder público. Na edição de 2017, o programa lança desafio na área de comunicação para empreendedores que desejam melhorar a interação dos cidadãos com suas cidades.

A forma como nos comunicamos mudou. Hoje, com a difusão de tecnologias inovadoras e novos canais de comunicação, o modo como interagimos uns com os outros passa por constantes transformações. Assim sendo, cabe a pergunta: se esse tipo de comunicação vem evoluindo, porque a relação entre municípios e cidadãos mantém-se estática?

Para constatarmos o quão urgente é essa questão, basta olharmos para os números: em 2020, o Brasil terá mais de 141 milhões de usuários de internet1. É, pois, fundamental que os municípios estejam bem inseridos neste universo. E os caminhos para isso, de acordo com especialistas, já estão disponíveis: redes sociais, a internet das coisas e big data são os meios para cidadãos estreitarem laços digitais com suas cidades.

A ideia é amparada por um estudo da consultoria Mckinsey, onde se lê que “O uso de tecnologias de informação e comunicação para fornecer e melhorar serviços, transações e interações do setor público permitiram que as organizações governamentais oferecessem melhores serviços e aumentassem a eficácia e a eficiência”2.

Há, também, conceitos que sintetizam essa relação. Como o e-participation, que, de acordo com a ONU3, pode ser definido como o conjunto de iniciativas Government-to-Citizen (Governo-para-Cidadão, ou G2C) que melhoraram o acesso à informação e aos serviços públicos. Além disso, essas iniciativas promovem a participação do cidadão na tomada de decisões públicas. O conceito de e-participation costuma ser dividido em três frentes:

  • E-information:Permitir a participação dos cidadãos, proporcionando acesso à  informação pública;
  • E-consultation:Envolver os cidadãos em contribuições e deliberações sobre serviços e  políticas públicas;
  • E-decision-makingEmpoderar os cidadãos por meio da co-concepção e da co-produção de políticas públicas e melhoria de serviços.

Hoje, o Reino Unido lidera o ranking de e-participation da ONU4 graças a uma estratégia de transparência e abertura. Praticamente todas as propostas do governo inglês são publicadas no site gov.uk. E quase três mil medidas contaram com a participação dos cidadãos -- ou estão em processo de consulta, tanto substantiva quanto técnica.

A situação do Brasil neste ranking não é muito animadora: estamos no 37° lugar. Assim sendo, o BrazilLAB busca, junto aos empreendedores, soluções que possam responder aos seguintes desafios:

  • Como as startups de comunicação podem orientar prefeitos e setor público para que utilizem canais digitais e mídias na promoção (de forma consistente) da visão para o desenvolvimento das cidades?
  • Como a comunicação entre o governo e sociedade pode gerar impacto no desenvolvimento econômico e no orgulho cívico das cidades brasileiras?

Entre diversos serviços, as startups podem oferecer:

  • Posicionamento público e desenvolvimento da “marca”;
  • Práticas de comunicação e avaliação de interação;
  • Estratégias de marketing e comunicação de políticas públicas;
  • Envolvimento político da sociedade;
  • Comunicação em períodos de crise;
  • Suporte à execução de programas;
  • Análise e suporte em grandes Eventos.

 

Sobre o BrazilLAB

O BrazilLAB é a única aceleradora que conecta empreendedores ao setor público. Sendo assim, nosso programa de mentoria tem como principal objetivo adaptar e validar as soluções selecionadas para que atendam às demandas de gestores públicos e resolvam os problemas enfrentados pelos municípios brasileiros.

A inspiração para o programa de aceleração do BrazilLAB veio de iniciativas internacionais, como o Solve/MIT e o Mayors Challenge/Bloomberg Philanthropies. Esses programas estimulam a inovação, o intercâmbio e o diálogo entre acadêmicos, setor privado, empresários e setor público, visando à promoção de um espaço eficiente que permita o envolvimento da sociedade na busca de soluções.

Nosso programa conta com quatro ciclos de atividades presenciais. Em cada um deles, os empreendedores recebem mentoria especializada, obtêm acesso a networking e a líderes públicos, adquirem conhecimento sobre os desafios municipais, encontram oportunidade de participar de rodadas com investidores e divulgam suas soluções por meio de cases e exposição na mídia.

No entanto, o programa não se restringe apenas aos quatro meses de atividades presenciais. Nossa rede de parceiros, mentores e equipe acompanha os empreendedores ao longo de toda a sua jornada. Esse acompanhamento ocorre por meio de nosso programa Alumini, que tem como objetivo auxiliar os empreendedores a alcançarem o impacto que desejam na sociedade.

Patrocínio

O BrazilLAB é um programa patrocinado pelo Bank of America Merrill Lynch, E.Bricks e Instituto Betty e Jacob Lafer.

Entre seus parceiros, o BrazilLAB tem a honra de contar com instituições como CLP, Fundação Brava, Comunitas Endeavor, Start-Up Chile e Microsoft.

Fontes

1 - http://www.cisco.com/c/en/us/solutions/service-provider/visual-networking-index-vni/index.html

2 - http://www.mckinsey.com/industries/public-sector/our-insights/e-government-20

3 - https://publicadministration.un.org/egovkb/en-us/About/Overview/E-Participation

4- https://publicadministration.un.org/egovkb/en-us/Reports/UN-E-Government-Survey-2016

Veja Também:

As soluções inteligentes das cidades no Norte do Brasil

As lições que cidades como Manaus, Palmas e Boa Vista podem ensinar aos outros municípios brasileiros

As origens e particularidades do investimento em startups

Cada etapa do financiamento de empresas inovadoras possui características próprias

A corrupção vai acabar muito mais rápido do que a maioria de brasileiros pensa. É preciso ter fé

Para Peter Kronstrøm, as "ovelhas negras" devem assumir a liderança para que as empresas se mantenham relevantes no futuro.